top of page

Resultados da Busca

39 itens encontrados para ""

Eventos (4)

Ver todos

Posts do blog (7)

  • A ABEFACO se posiciona firmemente contra o PL 1904/24, que equipara o aborto após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, incluindo casos de estupro.

    Consideramos esta proposta um grave retrocesso nos direitos reprodutivos das meninas, mulheres e pessoas com útero. O projeto é uma violação ao Estatuto da Criança e do Adolescente, ignora circunstâncias complexas e penaliza severamente as crianças vítimas de violência sexual. Em 2023 houve aumento de 8,2% dos casos de estupro no Brasil em comparação à 2021, sendo mais de 56.000 contra população vulnerável. As vítimas do sexo feminino correspondem a 88,7% sendo 56,8% do quesito raça/cor negras e 0,5% indígenas. As crianças são as maiores atingidas: 61,4% possuem entre 0 e 13 anos de idade, e, até 4 anos, são 10,4% das violentadas. Os estupros ocorrem dentro dos lares das vítimas em 68,3%. Quanto aos estupradores das crianças até 13 anos, 86,1% são conhecidos e 64,4% são os próprios familiares. Esses dados são do Anuário de Segurança Pública de 2023 dos casos denunciados, o que demonstra a gravidade da violência sexual contra populações vulneráveis, em especial de crianças e adolescentes mais podres que dependem do Sistema Único de Saúde e de Políticas Públicas para acesso ao aborto seguro dentro das legislação brasileira. É necessário apontar que as vítimas de violência sexual que engravidam não podem ser obrigadas a seguir com a consequência de um estupro e, ainda, serem responsáveis por homicídio em caso de abortamento. O PL em questão distorce e desconsidera que, a cada 8 minutos no Brasil, ocorre estupro e, dessa violência, pode acarretar gravidez. Compete à vítima a decisão, amparada por Lei, de seguir ou não a gestação, lembrando que criança não é mãe e estuprador não é pai. Diante desse contexto, a Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade é contrária ao PL 1904 que criminaliza as vítimas enquanto confere pena menor para os criminosos. Assim, além de comprometer a saúde e a autonomia das mulheres e meninas, o projeto de lei desconsidera recomendações de saúde pública e impõe penas desproporcionais. Conclamamos a sociedade e os legisladores a rejeitarem esse PL, defendendo a manutenção dos direitos reprodutivos como uma questão de justiça e dignidade humana. #Abefaco #PL1904 #PLdoEstupro #PLdoEstuproNao #CriannaNaoEMae #EstupradorNaoEpai #Aborto #ContraPL1904

  • Os municípios já podem participar do Censo das UBS

    Nesta segunda-feira (3/06), inicia o Censo Nacional das Unidades Básicas de Saúde (UBS) em todo território brasileiro. Aproximadamente 70% dos municípios manifestaram interesse e já podem responder as perguntas do questionário, os demais ainda podem manifestar interesse ao Censo na plataforma e-Gestor do Ministério da Saúde. O Censo das UBS tem como objetivo realizar um amplo diagnóstico das condições de infraestrutura, equipamento e oferta dos serviços prestados pelas unidades. A Secretaria da Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde (SAPS/MS) recomenda que seja escolhido um respondente por UBS do município. Para isso, o gestor municipal precisa cadastrar os respondentes do Censo na plataforma. Desta forma, o diagnóstico da principal porta de acesso do SUS será fiel às condições de trabalho e da oferta de serviço na comunidade, o que subsidiará o planejamento estratégico do setor saúde. O preenchimento do Censo é realizado na plataforma e-Gestor https://egestorab.saude.gov.br/ Para os municípios que ainda não manifestaram interesse de aderir ao Censo, basta  acessar a manifestação de interesse em https://acesso-egestoraps.saude.gov.br/login. Construção tripartite O secretário-executivo do Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira, chamou os gestores municipais a participarem do Censo das UBS. O convite foi feito no 1º Seminário Nacional sobre o Censo, realizado no dia 28 de maio. “É uma tarefa necessária para melhorar o SUS”, disse Junqueira em vídeo enviado para o seminário. “Precisamos ver as nossas necessidades e a capacidade de oferta, além da infraestrutura, para que possamos propor junto ao Ministério da Saúde melhoria nos investimentos. Desta forma, precisamos de um retrato fiel da Atenção Básica”, ressaltou Mauro Junqueira. (Veja o vídeo em https://youtu.be/LrW6LJq4tVo) “O Censo é um instrumento de inovação da APS, construído coletivamente com estados e municípios. Vai permitir conhecer mais o processo de trabalho dos profissionais de saúde e os desafios locais para melhorar a qualidade dos serviços prestados nos territórios”, ressaltou o secretário da Secretaria de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde (SAPS/MS), Felipe Proenço, que participou do seminário, direto de Porto Alegre/RS. Para gestores e profissionais de saúde do Rio Grande do Sul, o Censo das UBS terá condições diferenciadas de participação. A Câmara Técnica da APS do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) vai acompanhar a operacionalização do Censo nos Estados. “O país é enorme e nós temos municípios diversos, então sugerimos organizar a operacionalização da coleta dos dados do Censo, visto que surgirão várias dúvidas no decorrer do processo”, apontou a assessora técnica do Conass, Maria José Evangelista, no seminário. Para sanar dúvidas, a SAPS/MS produziu o Manual de Orientações para manifestação de interesse do Censo das UBS disponível em https://sisapsdoc.saude.gov.br/gerenciaaps/adesao/censoaps Link do Seminário - https://www.youtube.com/watch?v=LnkqTYC8fIY

  • Nota em defesa de uma Atenção Primária à Saúde Inclusiva

    A Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade (Abefaco), por meio de Grupo de Trabalho para Atenção Primária à Saúde Inclusiva (GT APS Inclusiva) vem acompanhando as ações da Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS) do Ministério da Saúde, desde a instauração do novo governo, após as eleições. Inclusive participa de algumas dessas ações de forma mais direta, com proposições enviadas à SAPS para a construção da “APS do futuro”, juntamente com outras entidades. Mais recentemente, tomamos ciência da apresentação da SAPS, realizada no dia 01 de fevereiro de 2024, durante a 1ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite “Desafios da APS hoje: panorama do orçamento da APS e o novo modelo de financiamento” (1h23min a 1h43min), que trouxe a proposta do novo financiamento da APS com base na melhoria de acesso, bem como a qualidade e integralidade do cuidado à saúde. Observamos nessa apresentação, ao destacar os diversos programas e políticas transversais a APS, especialmente as relacionadas à equidade, a ausência da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Pessoa com Deficiência (PNAISPD) e Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência (RCPD) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)¹ . Como entidade que tem por objetivo o desenvolvimento técnico-científico da Enfermagem na APS, com comprometimento ético e político sobre, dentre outras questões, aquelas que afetam a população em maior situação de vulnerabilidade, vimos por meio desta nota chamar a atenção para a importância da valorização da PNAISPD e RCPD, como estratégias que colaboram para a superação das barreiras de acesso das Pessoas com Deficiência (PcD) aos serviços da APS. Consideramos que as Políticas de Equidade elevam a capacidade e melhoria do acesso, um dos princípios doutrinários do Sistema Único de Saúde (SUS) e, portanto, a acessibilidade e inclusão das pessoas com deficiência necessita ser consideradas ao se tratar do financiamento da APS para assegurar o direito à saúde. Ressaltamos que a Estratégia Saúde da Família, modelo prioritário da APS, como primeiro nível de atenção, de caráter organizativo, deve promover cuidado integral, abarcando as especificidades próprias da população PcD. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério de Direitos Humanos e Cidadania (MDHC), em 2022, a população com dois anos ou mais, que possui alguma deficiência, corresponde a 8,9% das(os) brasileiras(os), ou seja, 18,6 milhões de pessoas (BRASIL, 2022).² Diante do exposto, destacamos como prioridade que sejam incorporadas na proposta de orçamento e novo modelo de financiamento, ações estratégicas que elevem a APS à uma política pública inclusiva que possa proporcionar a promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, dentre outros, com financiamento adequado e a visibilidade da comunidade com deficiência. Para a construção de um SUS público, universal, equânime, integral, longitudinal, humanizado e com qualidade é indispensável que todas as pessoas estejam incluídas. Rio de Janeiro, 20 de fevereiro de 2024 Grupo de Trabalho Atenção Primária à Saúde Inclusiva Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade-ABEFACO Referências 1- BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.526, de 11 de outubro de 2023 Altera as Portarias de Consolidação GM/MS nºs 2, 3 e 6, de 28 de setembro de 2017,para dispor sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Pessoa com Deficiência (PNAISPD) e Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência (RCPD) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficinal da União (DOU), Edição: 196, Seção:1, Página: 99, publicado em 16/10/2023. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/saes/legislacao/portaria-gm-ms-no-1-526-de-11- de-outubro-de-2023/view Acesso em 05/ fev 2024. Acesso em 01 fev 2024. 2- BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2022. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2022.Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt- br/assuntos/noticias/2023/julho/brasil-tem-18-6-milhoes-de- pessoas-com-deficiencia-indica-pesquisa-divulgada-pelo-ibge-e- mdhc. Acesso em 01 fev 2024.

Ver todos

Outras páginas (28)

  • 1º Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade | Abefaco

    Conheça a ABEFACO e Associe-se para fortalecer a Enfermagem de Família e Comunidade! Início Informações Valores Saiba mais Programação Inscreva-se Submissões Submissões de Oficinas Submissões de Trabalhos Prova de Titulação Certificado CONTATO Your content has been submitted An error occurred. Try again later Inscrição de Trabalho Resumo (De 300 a 600 palavras) Introdução Objetivo Método Resultado(s)/Discussão Considerações/Aprendizado(s) Pessoa com Deficiência Categoria do Autor Enfermeira Associada Estudante Associado Técnica ou Auxiliar Associado Enfermeira Não Associada Estudante Não Associado Técnica ou Auxiliar Não Associado Outra Categoria Concorda com o Edital Sim Não Tipo de Trabalho Eixo do Trabalho Enviar 1° Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade – ICBEFC EDITAL Nº 2 / 2024 SUBMISSÃO DE TRABALHOS A Comissão Científica do I Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade (ICBEFC), no uso de suas atribuições, torna público o edital de submissão de trabalhos para apresentação no evento. 1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 A primeira edição do Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade tem como objetivo incentivar e promover o intercâmbio científico e cultural entre os estudantes e profissionais atuantes na rede de Atenção Primária à Saúde do país e estimular o aprendizado e a prática de atividades científicas. 1.2 A Comissão Científica definirá uma Comissão Avaliadora, composta por especialistas de áreas afins aos temas apresentados e encarregada de avaliar os trabalhos inscritos. 1.3 Os trabalhos serão inscritos no formato de resumo e apresentados em modelo de rodas de conversa. 1.4 No momento da submissão da proposta não é necessário estar inscrito no Congresso. No entanto, se o trabalho for selecionado para apresentação, os autores e coautores que irão participar da apresentação deverão efetuar a inscrição no prazo de dez (10) dias corridos após recebimento do e-mail de confirmação. 1.5 Trabalhos submetidos fora das normas impostas pelo presente edital poderão não ser aprovados para o evento, ficando a decisão a cargo da Comissão Avaliadora. 1.6 O conteúdo dos trabalhos é de inteira responsabilidade dos autores. 1.7 As despesas necessárias à ao comparecimento ao evento serão de inteira responsabilidade dos autores, assim como de eventuais recursos materiais. 1.8 Serão aceitos no máximo dois (2) trabalhos como autor principal e não há limites para a coautoria. No entanto, cada trabalho deverá ter até nove (9) participantes, sendo um (1) autor principal e oito (8) coautores. 1.9 Os trabalhos submetidos serão analisados pela Comissão Avaliadora para a composição de uma mesa no evento, composta por cinco (5) experiências que, conjuntamente, representem a amplitude e a potência da Enfermagem de Família e Comunidade. 1.10 Será emitido, via e-mail, apenas um certificado por trabalho, contando com os nomes da autoria principal e coautores. 1.11 Os trabalhos selecionados serão publicados nos anais do ICBEFC. 1.12 Ao efetuar a inscrição do trabalho, os participantes declaram estar cientes e de acordo com todos os itens deste regulamento. 2. DOS TRABALHOS 2.1 Os trabalhos devem ser preenchidos através do formulário eletrônico. Não devem ser inseridos gráficos, tabelas ou outros recursos visuais no resumo, apenas o texto. Os campos obrigatórios do formulário devem ser completamente preenchidos. Deverá ser indicado o eixo temático predominante de cada resumo. 2.2 Os trabalhos deverão ter no máximo nove (9) colaboradores, incluindo o autor principal. Serão aceitos somente 2 (dois) trabalhos como autor principal, sem limites para coautoria. 2.3 Os trabalhos devem ser inscritos em um dos cinco eixos centrais do Congresso, descritos a seguir: Eixo 1: Sistemas e Políticas de saúde Descrição: Compõem este eixo toda temática que norteia a formulação dos sistemas e políticas públicas em saúde. ● O trabalho da enfermagem na APS em diferentes países ● Financiamento ● Controle social/ participação popular ● Ação política / visibilidade política da enfermagem ● Saúde suplementar na Enfermagem de Família e Comunidade ● Saúde global: alterações climáticas e cuidados com o meio ambiente ● Redes de atenção à saúde ● Avaliação em saúde Eixo 2: Processo de trabalho (Dimensão gerencial) Descrição: Compõem este eixo toda temática que norteia aspectos da dimensão gerencial da atuação na Estratégia em Saúde da Família. ● Técnico de enfermagem como membro da equipe ● Instrumentos assistenciais (POP, rotina, escalas, notas técnicas) ● Empreendedorismo e inovação ● Vigilância em saúde ● Indicadores de saúde ● Enfermeiro como Responsável Técnico ● Enfermeiro como Gerente Eixo 3: Assistência e gestão do cuidado (Dimensão prática assistencial) Descrição: Compõem este eixo toda temática que norteie aspectos da dimensão prática-assistencial da Estratégia em Saúde da Família. ● Prática clínica do enfermeiro ● Sistematização da Assistência em Enfermagem ● Raciocínio clínico ● Prática do técnico e auxiliar de enfermagem na APS ● Teleassistência ● Coordenação do cuidado ● Práticas Integrativas e Complementares em Saúde ● Trabalho em equipe ● Educação em saúde ● Educação popular ● Trabalho colaborativo na APS Eixo 4: Educação Profissional em Saúde e o Campo da Enfermagem Descrição: Compõem este eixo toda dimensão do campo de formação e ensino em Enfermagem de Família. ● Formação das Enfermeiras ● Formação das auxiliares e técnicas em enfermagem ● Especialização em moldes práticos - residências em saúde Uniprofissional e Multiprofissional ● Especialização Lato sensu ● Mestrado e doutorado profissional e acadêmico ● Educação Permanente em Saúde ● Educação Interprofissional Eixo 5: Equidade e diversidade Descrição: Compõem este eixo toda a dimensão principal do Congresso que norteia a Equidade e Diversidade no SUS. ● População ribeirinha e das florestas ● Povos tradicionais: indígenas e quilombolas ● População em situação de rua ● Refugiados e imigrantes ● Atenção Primária Prisional ● APS inclusiva ● População LGBTQIA+ ● População negra ● Povos de religiões de matrizes africanas 2.4 Os trabalhos podem ser relatos de vivências do cotidiano profissional, estudo, cuidado, gestão e outras atividades teóricas ou práticas no âmbito da Atenção Primária, que tenham caráter criativo, inovador, educativo, reprodutível ou de melhoria. 2.5 Pelo menos um(a) autor(a) ou coautor do trabalho deverá estar presente e apresentar a mesma para que se possa emitir o certificado de participação no Congresso. 2.6 Os trabalhos poderão ser apresentados na forma de resumo simples e deverão ser submetidos a apenas um dos seguintes eixos temáticos, sob o risco de ser rejeitado pelo sistema. Assim, para cada trabalho o autor deverá escolher o eixo temático que melhor corresponda à discussão que pretende desenvolver. 2.7 Formatação dos resumos-Estrutura 2.7.1 Título 2.7.2 Introdução 2.7.3 Objetivo 2.7.4 Método 2.7.5 Considerações/Aprendizados 2.7.6 O resumo deverá ter no mínimo 300 palavras e no máximo 600 palavras. 3. DA SUBMISSÃO 3.1 A submissão dos trabalhos será no período de 10/06/2024 até 01/08/2024, sujeita a prorrogação mediante decisão da Comissão Científica. 3.2 A submissão será feita por meio do site 1º Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade | Abefaco. 3.3 O meio de comunicação oficial da Comissão Científica com os inscritos será via e-mail congresso.cbefc@gmail.com e atualizações do site. 4. DA SELEÇÃO 4.1 Serão aceitos para apresentação o total de até 320 trabalhos, capacidade máxima do evento. 4.2 O resultado da seleção será divulgado no dia 01/09/2024 por e-mail e pelo site, sujeito a prorrogação avisada no mesmo meio. 5. DA APRESENTAÇÃO 5.1 A data e horário exatos das oficinas serão divulgados no site e no e-mail de todos os submissores, no mínimo, quinze (15) dias de antecedência do evento, podendo ser alterados conforme solicitação via e-mail com antecedência de até uma semana anterior ao evento. 5.2 Os trabalhos serão apresentados em formato de roda de conversa, sendo 10 (dez) apresentados por sala, com 10 minutos de apresentação para cada trabalho, além de 20 minutos ao final para discussão coletiva com o auxílio de um moderador com experiência na área. 5.3 Não haverá apresentação em mídia, no entanto, se o apresentador necessitar levar seu próprio computador, poderá utilizá-lo para exibir alguma imagem ou orientar-se na sua apresentação oral. 6. DA PREMIAÇÃO 6.1 Haverá premiação em cada eixo científico, considerando o primeiro, segundo e terceiro lugares. A premiação se dará com certificado, uma camisa e uma bolsa personalizadas com o tema Enfermagem de Família e Comunidade. O moderador de cada sala, o qual será um profissional com experiência e formação na área, irá atribuir uma nota para cada apresentação em formulário com critérios predeterminados pela comissão científica. Ao final das apresentações será realizado um ranking. As três maiores notas de cada categoria serão premiadas. Caso haja empate de notas, o critério de desempate será: - Maior relevância para Enfermagem de Família e Comunidade. 7. DA CERTIFICAÇÃO 7.1 Será emitido, via e-mail, apenas um certificado por trabalho, contando com os nomes da autoria principal e coautores. Comissão Organizadora Rio de Janeiro, 10 de junho de 2024.

  • Abefaco

    Ver mais Quem somos A Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade (ABEFACO), fundada em 16 de setembro de 2015 , em Assembleia Nacional que aconteceu em João Pessoa, Paraíba e registrada em 09/06/2016, CNPJ 24994714000120. Congrega Enfermeiros, técnicos e auxiliares de Enfermagem na área de Atenção Primária à Saúde. Saiba mais.. A ABEFACO se posiciona firmemente contra o PL 1904/24, que equipara o aborto após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, incluindo casos de estupro. Consideramos esta proposta um grave retrocesso nos direitos reprodutivos das meninas, mulheres e pessoas com útero. O projeto é uma... 49 0 comentário 0 4 curtidas. Post não marcado como curtido 4 Os municípios já podem participar do Censo das UBS Nesta segunda-feira (3/06), inicia o Censo Nacional das Unidades Básicas de Saúde (UBS) em todo território brasileiro. Aproximadamente... 40 0 comentário 0 2 curtidas. Post não marcado como curtido 2 Nota em defesa de uma Atenção Primária à Saúde Inclusiva A Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade (Abefaco), por meio de Grupo de Trabalho para Atenção Primária à Saúde... 112 0 comentário 0 6 curtidas. Post não marcado como curtido 6 PRÁTICAS AVANÇADAS EM ENFERMAGEM: VALORIZAÇÃO DO TRABALHO INTERPROFISSIONAL E COERÊNCIA COM O SUS A ampliação do escopo de prática das profissões é um movimento natural de desenvolvimento dos campos profissionais e que reflete o... 538 0 comentário 0 12 curtidas. Post não marcado como curtido 12 1 2 Associe-se Saiba mais sobre como atuar junto a ABEFACO! Associe-se!

  • 1º Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade | Abefaco

    Conheça a ABEFACO e Associe-se para fortalecer a Enfermagem de Família e Comunidade! Início Informações Valores Saiba mais Programação Inscreva-se Submissões Submissões de Oficinas Submissões de Trabalhos Prova de Titulação Certificado CONTATO Your content has been submitted An error occurred. Try again later Your content has been submitted An error occurred. Try again later Your content has been submitted An error occurred. Try again later Inscrição de Oficina Pessoa com Deficiência Oficina Objetivo Método Público alvo e adequado para a oficina acontecer, mínimo e máximo (lembrando que o máximo para as oficinas são 30 pessoas) Qual inovação e/ou qualificação será apresentada visando o processo de trabalho na APS? Considerações/Aprendizados esperados Observações Categoria do Responsável Enfermeira Associada Estudante Associado Técnica ou Auxiliar Associado Enfermeira Não Associada Estudante Não Associado Técnica ou Auxiliar Não Associado Outra Categoria Concorda com o Edital Sim Não Eixo da Proposta Enviar Your content has been submitted 1° Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade – 2024 EDITAL Nº 1 / 2024 SUBMISSÃO DE OFICINAS A Comissão Científica do I Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade, no uso de suas atribuições, torna público o edital de submissão de oficinas para apresentação no Congresso, a realizar-se nos dias 14, 15 e 16 de novembro de 2024. 1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 A primeira edição do Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade tem como objetivo incentivar e promover o intercâmbio científico e cultural entre os estudantes e profissionais atuantes na rede de Atenção Primária à Saúde do Brasil e estimular o aprendizado e a prática de atividades científicas. 1.2 O conteúdo das oficinas é de inteira responsabilidade dos autores. 1.3 As despesas necessárias à realização da oficina e ao comparecimento ao evento serão de inteira responsabilidade dos autores, à exceção de recursos previamente aprovados pela organização. 1.4 O limite de pessoas por oficina é de cinco (5), sendo um autor e quatro (4) coautores. 1.5 O limite de inscrição de oficina como autor principal será de até duas (2) propostas. Não há limite de inscrição de oficinas como coautor. 1.6 O autor principal da oficina que for aceita para apresentação ficará isento de inscrição no Congresso. Essa isenção é exclusiva para o autor principal e intransferível. 1.7 No momento da submissão da proposta não é necessário estar inscrito no Congresso. No entanto, se a oficina for selecionada para apresentação, os coautores que irão participar da apresentação deverão efetuar a inscrição no prazo de dez (10) dias corridos após recebimento do e-mail de confirmação. 1.8 A oficina aceita para apresentação deverá ter no mínimo dois apresentadores para sua realização, o autor e pelo menos um coautor. 1.9 Será emitido certificado para autor e coautor(es) que apresentaram a oficina durante o evento. 1.10 Ao efetuar a inscrição da oficina, os participantes declaram estar cientes e de acordo com todos os itens deste regulamento. 2. DA COMISSÃO AVALIADORA 2.1 A Comissão Científica definirá uma Comissão Avaliadora, encarregada de avaliar as oficinas inscritas e composta por especialistas de áreas afins aos temas apresentados. 2.2 As propostas enviadas serão submetidas de maneira sigilosa à Comissão Científica. A Comissão Avaliadora selecionará as propostas para apresentação no evento considerando: metodologia proposta, dando preferência para metodologias ativas; relevância do tema para o trabalho na Atenção Primária; adequação dos recursos e espaço necessários aos disponíveis; e número de oficinas que poderão ser realizadas durante o evento. 3. DAS OFICINAS 3.1 As oficinas devem estar de acordo com um dos cinco eixos centrais do Congresso, descritos a seguir: Eixo 1: Sistemas e Políticas de saúde Descrição: Compõem este eixo toda temática que norteia a formulação dos sistemas e políticas públicas em saúde. ● O trabalho da enfermagem na APS em diferentes países ● Financiamento ● Controle social/ participação popular ● Ação política / visibilidade política da enfermagem ● Saúde suplementar na Enfermagem de Família e Comunidade ● Saúde global: alterações climáticas e cuidados com o meio ambiente ● Redes de atenção à saúde ● Avaliação em saúde Eixo 2: Processo de trabalho (Dimensão gerencial) Descrição: Compõem este eixo toda temática que norteia aspectos da dimensão gerencial da atuação na Estratégia em Saúde da Família. ● Técnico de enfermagem como membro da equipe ● Instrumentos assistenciais (POP, rotina, escalas, notas técnicas) ● Empreendedorismo e inovação ● Vigilância em saúde ● Indicadores de saúde ● Enfermeiro como Responsável Técnico ● Enfermeiro como Gerente Eixo 3: Assistência e gestão do cuidado (Dimensão prática assistencial) Descrição: Compõem este eixo toda temática que norteie aspectos da dimensão prática-assistencial da Estratégia em Saúde da Família. ● Prática clínica do enfermeiro ● Sistematização da Assistência em Enfermagem ● Raciocínio clínico ● Prática do técnico e auxiliar de enfermagem na APS ● Teleassistência ● Coordenação do cuidado ● Práticas Integrativas e Complementares em Saúde ● Trabalho em equipe ● Educação em saúde ● Educação popular ● Trabalho colaborativo na APS Eixo 4: Educação Profissional em Saúde e o Campo da Enfermagem Descrição: Compõem este eixo toda dimensão do campo de formação e ensino em Enfermagem de Família. ● Formação das Enfermeiras ● Formação das auxiliares e técnicas em enfermagem ● Especialização em moldes práticos - residências em saúde Uniprofissional e Multiprofissional ● Especialização Lato sensu ● Mestrado e doutorado profissional e acadêmico ● Educação Permanente em Saúde ● Educação Interprofissional Eixo 5: Equidade e diversidade Descrição: Compõem este eixo toda a dimensão principal do Congresso que norteia a Equidade e Diversidade no SUS. ● População ribeirinha e das florestas ● Povos tradicionais: indígenas e quilombolas ● População em situação de rua ● Refugiados e imigrantes ● Atenção Primária Prisional ● APS inclusiva ● População LGBTQIA+ ● População negra ● Povos de religiões de matrizes africanas 3.2 Para submissão das oficinas, haverá necessidade de preenchimento do formulário de inscrição (disponível no site do evento), seguindo todos os campos: - Título - Objetivo - Método - Público alvo e adequado para a oficina acontecer, mínimo e máximo (lembrando que o máximo para as oficinas são 30 pessoas) - Qual inovação e/ou qualificação será apresentada visando o processo de trabalho na APS? - Considerações/Aprendizados esperados - Observações 3.3 Define-se, por oficina, uma atividade de metodologia ativa, em que um grupo de pessoas discute e realiza atividades teórico-práticas a respeito de um assunto ou projeto específico, enfatizando a troca de ideias, a demonstração e aplicação de conhecimentos, técnicas e habilidades. 3.4 A oficina pode ter uma pequena apresentação teórica, mas deve ser essencialmente prática. 4. DA INSCRIÇÃO 4.1 A inscrição das oficinas será no período de 10/06/2024 até 01/08/2024, sujeito a prorrogação desta data mediante decisão da Comissão Científica. 4.2 A inscrição será feita por meio do site 1º Congresso Brasileiro de Enfermagem de Família e Comunidade | Abefaco. 4.3 O meio de comunicação oficial da Comissão Científica com os inscritos será via e-mail congresso.cbefc@gmail.com e atualizações do site. 5. DA SELEÇÃO 5.1 O resultado das oficinas selecionadas será divulgado no dia 01/09/2024 por e-mail e pelo site, sujeito a prorrogação avisada no mesmo meio. 5.2 Com o intuito de valorizar as diversas experiências, em virtude das limitações da quantidade de sala e as necessidades de grade, a comissão científica poderá propor alterações e fusões entre duas ou mais propostas de oficina. Nesses casos, será realizado contato prévio com os submissores para avaliar a aceitação das propostas e as alterações ocorrerão apenas com a anuência dos mesmos. 5.3 As oficinas submetidas fora das normas impostas por este edital não serão selecionadas. 6. DA APRESENTAÇÃO 6.1 A data e horário exatos das oficinas serão divulgados no site e no e-mail de todos os submissores, no mínimo, quinze (15) dias de antecedência do evento, podendo ser alterados conforme solicitação via e-mail com antecedência até uma semana anterior ao evento. 6.2 O tempo para cada oficina será de duas (2) horas, caso haja necessidade de tempo diferente, deverá ser registrado no formulário de inscrição no campo observação e será avaliado pela Comissão. 6.3 O tempo destinado a cada oficina deve ser respeitado, em termos de hora de início e de término. 6.4 O público máximo para cada oficina será de até 30 pessoas. 7. DA CERTIFICAÇÃO 7.1 Será emitido, via e-mail, apenas um certificado por oficina, contando com os nomes da autoria principal e colaboradores presentes em sua realização. Comissão Organizadora Rio de Janeiro, 10 de junho de 2024.

Ver todos
bottom of page